Conselho da Fiesp marca reunião que pode destituir Josué Gomes

[ad_1]

Sindicatos alegam que presidente da entidade não tem tempo para reuniões nem ouve as demandas dos associados; fontes dizem não haver justificativa para impeachment

Ayrton Vignola/Fiesp – 9.ago.2022Lula e Josué Gomes sentados lado a lado em palestra
Josué Gomes, presidente da Fiesp, é cotado assumir um ministério no governo Lula

Depois do presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Josué Gomes, não ter convocado uma assembleia após pedido de 86 sindicatos associados, a maioria do Conselho de Administração da entidade decidiu seguir em frente e agendar a reunião para o próximo dia 21 de dezembro. A assembleia poderá, na prática, culminar com a queda do presidente do cargo que ocupa desde janeiro. Conforme o edital de convocação, publicado neste domingo, 11, todos os itens da pauta giram em torno da atuação de Josué no comando da entidade. Estão no texto, por exemplo, a necessidade de se debater a “atuação do sr. diretor presidente da Fiesp acerca de atos que denotam desvirtuamento dos fins estabelecidos nos estatutos, da Fiesp”, além de esclarecimentos sobre “atos e procedimentos que se encontram pormenorizados em correspondência do dia 16 de novembro”.

Josué não teria convocado a assembleia porque o pedido não respeitaria as delimitações do estatuto. Não houve uma reunião formal de todo o Conselho ontem, quando a decisão foi tomada, mas foi uma decisão de conjunta dos 86 sindicatos, que formam uma maioria, de formalizar a convocação da assembleia. A insatisfação do grupo gira em torno da atuação do Josué da Fiesp, “que não tem tempo para reuniões” e “não ouve as demandas dos sindicatos”. Um membro da Fiesp, que pediu anonimato, explicou que o que tem gerado insatisfação, na verdade, é a mudança na estrutura de poder na entidade, capitaneada pela gestão de Josué. Com isso, a federação trouxe de volta grandes industriais que tinham se afastado ao longo da gestão de Paulo Skaf, que ficou por quase duas décadas na frente da entidade.

Pelo estatuto da Fiesp, a maioria absoluta dos sindicatos podem convocar uma assembleia em caso de negativa do presidente, mas decorrido um prazo de 30 dias. No edital, a justificativa para o prazo é de que a notificação pedindo a convocação da assembleia ocorreu no dia 18 de novembro. Com isso, o prazo exigido de 30 dias terminaria no próximo dia 20 próximo, podendo, assim, haver a assembleia no dia 21 de dezembro, conforme a leitura do grupo. Para respeitar um prazo mínimo para a convocação de 10 dias para a data da assembleia, o edital foi publicado neste domingo, dia 11. Josué, filho do ex-vice-presidente no governo Lula, José Alencar, morto 2011, é hoje o principal cotado para assumir o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, que deverá ser recriado pelo presidente eleito.

“Estou muito envergonhado com tudo isso. Se eu fosse o Josué mandaria imediatamente minha demissão, ele não precisa desse posto e só está se desgastando”, disse uma fonte, que preside um grande sindicato. Conforme informações do estatuto da Fiesp, a perda do mandato pode ocorrer por “conduta incompatível com a ética”, “abandono do cargo”, dilapidação de do patrimônio social”, dentre outros itens. “Nada que justifique, de longe, o impeachment de Josué”, disseram fontes. Procurado, Josué Gomes não respondeu até o momento.

*Com informações do Estadão Conteúdo



[ad_2]