Uva Sagrantino traz vinhos encorpados, densos e reserva benefícios à saúde

[ad_1]

Casta é típica e natural da Itália, mais precisamente da Úmbria, e vai bem com carnes vermelhas assadas, caça e queijos maduros


Esper Chacur
Vinho Sagrantino
Vinhos produzidos a partir desta casta são encorpados, escuros, densos e isso naturalmente, sem precisar que o vinhateiro interfira muito para se obter produtos com essas características

A casta Sagrantino, ou Sagrantino di Montefalco, é típica e natural da Itália, mais precisamente da Úmbria. Esta casta está entre as mais ricas em polifenóis ou seja, ela traz um monte de benefícios à saúde. Os umbros se orgulham disso e costumam afirmar que é a casta mais rica em tais componentes. Há controvérsias, em que pese o alto índice de anciões presentes na Úmbria! Sua história está envolta em mistério. Algumas fontes falam de uma possível origem síria. Os defensores dessas teses acreditam que os frades franciscanos podem tê-lo trazido para a Úmbria, devido às suas frequentes peregrinações ao Oriente. Diz-se que os umbros leigos passaram a conhecer vinhos desta uva em missas pascais, quando os padres seculares ofereciam na eucaristia desta comemoração, seus melhores vinhos, produzidos a partir da Sagrantino, isso por volta do século XV. Entretanto, não há dúvida sobre o início do seu sucesso, que remonta aos anos
oitenta do Século XX, e inicialmente diz respeito apenas à variante seca. Somente na década de 1990, quando o rótulo atingiu o auge de sua popularidade, o Sagrantino abandonou a roupagem de vinho rústico para ascender ao papel de grande tinto.

Os vinhos produzidos a partir desta casta são encorpados, escuros, densos e isso naturalmente, sem precisar que o vinhateiro interfira muito para se obter produtos com essas características. São vinhos longevos também, entretanto, a partir de uma década, quando bem feitos, mesmo se conservando bem, não costumam evoluir. Eles tendem ao equilíbrio, mantendo-se vivos por décadas a fio. A uva Sagrantino é cultivada em terras no município de Montefalco e parte do território dos municípios de Bevagna, Gualdo Cattaneo , Castel Rtaldi e Giano dell’Umbria. É
uma área muito pequena com solos que se inclinam suavemente ao longo dos perfis montanhosos com altitudes que variam de 220 metros acima do nível do mar a 472 dos relevos mais altos. Um grande vinhateiro da Úmbria e que recomendo aos viajantes, vez que não há notícias dele por aqui, são os vinhos do Paolo Bea, jóias líquidas de lá.

O Sagrantino, de modo geral, vai bem com carnes vermelhas assadas, caça e queijos maduros. Você pode experimentá-lo com pratos fortes como um cordeiro assado ou mesmo um leitão. Até mesmo pratos clássicos da culinária francesa seguem bem com vinhos da casta Sagrantino, por exemplo um “Steak Bernaise”. Há bons exemplares de vinhos Sagrantino por aqui. Um produtor
que gosto muito é o Arnaldo Caprai. Ele faz vinhos bem bacanas, desde os mais simples até belas criações. O Sagrantino di Montefalco Le Cimate, com um corpo robusto, também é uma ótima opção. O Lungarotti também é um produtor que merece destaque. Outro vinho que tem me chamado a atenção é o Bocale, da Famiglia Valentini, a venda por aqui com bom apelo. Salut!!

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.



[ad_2]